Por trás da magnificência de uma toga há, na essência, sempre, um homem, igual a qualquer outro, repleto de anseios, angústias, esperanças e sonhos.

4 de julho de 2010

A foto do Ladrão




Tal fato ocorreu numa comarca do interior do Rio Grande do Norte.
Havia um ladrão misterioso na cidade que, na calada da noite, há um bom tempo, furtava roupas dos varais, mas por safadeza mesmo. Levava o que tivesse estendido, de cueca a cobertor, e que depois eram vistas rasgadas em locais próximos. Ninguém descobria. E o sujeito era esperto, pois passava semanas sem agir, dificultando sua revelação. Como se tratava de uma cidade pequena, tornou-se o papo da praça especular sobre quem seria. Diziam ser uma pessoa de outra cidade, pois alguém o teria visto de longe, mas não o reconhecera.
Quase todo dia, quando o juiz chegava ao fórum, o vigilante dizia:
- Ah, doutor, só queria saber quem é esse camarada.
Os dias se passaram... e nada. Ao chegar certa manhã no prédio, acompanhado do Promotor de Justiça após uma inspeção eleitoral, novamente o comentário do vigilante:
- Queria só ver a cara desse ladrão safado, Doutor.
Foi então que o juiz falou:
- Pois saiba, Jacinto, que me entregaram uma foto do suspeito.
Foram os três para o gabinete do magistrado. Lá chegando, o juiz sentou-se ao birô, abriu uma das gavetas e de dentro retirou uma foto de tamanho médio, já meio desbotada. Entregou ao vigilante. Lá no retrato estavam cinco rapazes cabeludos e mal encarados, usando roupas surradas, magricelos e segurando latas de cerveja.
O vigilante olhou... olhou... e perguntou:
- Mas qual é o suspeito, o “cabra de peia”?
O magistrado então se aproximou do rapaz, virou um pouco o papel da fotografia e apontou para um dos indivíduos da foto. Estava no centro do grupo, com cabeleira de quem não cortava fazia meses, portando um microfone e uma lata de cerveja em cada uma das mãos.
- Soube que tinha sido esse aqui. O que você achou, Jacinto? Reconheceu?
O vigia analisou um pouco, e falou:
- Eita! É mesmo, Doutor! Acho que reconheci.
- Quem é, então?
- Estou reconhecendo – enquanto, isso, tocava com o indicador a figura no centro da foto...
- E aí, quem é?
- Olha, doutor, me parece familiar... Ah! já sei! Já sei! É da cidade vizinha... Olhe só a cara de maconheiro dele!
O juiz então agradeceu, deu um sorrisinho de canto de boca e entregou a foto ao Promotor de Justiça. O vigilante foi embora. O Promotor olhou a foto por uns instantes e, após um acesso de risos, devolveu-a ao magistrado.
Foi aí que o juiz voltou a guardar na gaveta o retrato de quando era vocalista de uma banda de rock, durante a faculdade...

3 comentários:

  1. KKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Dr. essa realmente foin ótima... kkkkkkkkkkkkk
    abraços
    Lucília Teixeira

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkk

    muito boa !!!!!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

IDENTIFIQUE-SE E FIQUE À VONTADE PARA COMENTAR. SOMENTE COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO ACEITOS.